29 novembro 2015

Nuvem de fumaça

      Zé chegou para trabalhar desanimado. Fumou um cigarro na esquina, voltou para o café e começou a limpar as mesas sem vontade de nada.
Ainda não era hora de movimento, havia uma pessoa aqui outra ali e bem na última mesa, no meio de uma nuvem de fumaça, uma loira aguada e com olhar de peixe morto fumava... Pensativa. O cabelo amassado estava preso por uma faixa de cetim totalmente inapropriada, a maquiagem meio borrada e vencida, reluzia colorida demais para a luz da manhã. Para se animar, Zé deu uma conferida e achou a mulher sem graça, peituda, mas sem graça. Continuou colocando os guardanapos, o açúcar e o adoçante, foi ajeitando aqui e ali. De vez em quando, dava uma olhadinha de esguelha para a loira. Será que ela estava esperando alguém?
O café foi enchendo, as pessoas começam a fazer pedidos, a falar mais alto e o movimento da clientela animou nosso amigo, que entre um pedido e outro bebeu um gole conhaque direto da garrafa que mantinha bem escondida. Limpou a boca na manga da camisa e continuou de olho na loira sozinha, fumando. pelas tantas, entra um sujeito falando ao celular, vai direto para o fundo do café, puxa a cadeira com pressa e se senta em frente à loira que esmaga o cigarro e faz cara de nojo.

Zé, que havia visto tudo, procurou rodear a mesa para ver se ouvia alguma coisa, mas não conseguiu. O homem falou, falou e falou sem parar. A loira sorriu e soltou uma gargalhada. O homem levantou-se irritado, jogou sobre a mesa cinco notas de R$100,00 e saiu do mesmo jeito que entrou. A loira pediu a conta e quando Zé foi levar, ela, que estava de , arremessou os peitões contra o peito de Zé, deu-lhe um beijo cinematográfico e saiu.
Nunca mais apareceu no café.

3 comentários:

Maria Cristina disse...

Ah mas quem era ela? Pq o beijo?Fiquei imaginando a cena e pensando na reação do Zé...

Maria Cristina disse...

Ah mas quem era ela? Pq o beijo?Fiquei imaginando a cena e pensando na reação do Zé...

Blog da Bruna disse...

Maria Cristina! O bom do "Café do Zé" é justo isso! As coisas que acontecem lá são cenas de vida.
Bruna.