15 março 2018

APOSENTANDOS - por Sandra Schamas


Encontro com  Carlos Francisco, 66, não nos víamos há muitos anos e o assunto era mais ou menos o esperado. Como vai a família, e fulano e sicrana, e os filhos,  o que tem feito. A conversa sai do lugar comum quando ele me conta que está  se aposentando. Nada de depressão e nem entrar naquela de ficar consertando a campainha, trocando lâmpada, indo ao mercado ou "pesquisando" na internet.

"Estou me aposentando numa boa porque já venho pensando nisso há anos. Me programei, voltei a ter moto  e me distraio com isso já faz tempo. Fui incrementando a máquina, dando um trato e depois troquei por uma melhor. Hoje  está do jeito que eu queria.  Sabe o que eu faço?  Quando as coisas começam a embaçar,  eu pego a moto e saio por aí. Dou uma volta, às vezes pego a estrada e volto pra casa novinho, cabeça fria. E tenho os amigos também, a turma que se encontra na padaria do Venâncio todo sábado de manhã. É sagrado. A gente vai pra lá, bate papo, fala de moto, às vezes sai aquele enxame de motoqueiros só pelo prazer de pegar a estrada. Olha, vou contar pra você. Não tem coisa melhor.

Durante a semana eu gosto de fazer caminhadas de pelo menos  cinco quilômetros, até dez. É pra manter a forma. Ás vezes vou de manhã e de tarde. A cidade é plana e eu não tenho preguiça. Também não tenho barriga, olha aqui ó. "

E bate a mão no estômago com orgulho. Nisso, chegam as filhas e abraçam o pai .

" Meu pai não está gato, tia? Olha só, tem até tatuagem."

Pergunto se ele usa jaqueta de couro e bandana, ele dá risada. Cuidar da moto e ir adquirindo os acessórios fez parte do projeto de aposentadoria. Hoje, em vez de ficar cutucando o passado ele tem coragem de fazer o que gosta,  olha para frente, para a estrada, caminhando ou dirigindo a bike.

Carlos Francisco tem um bom humor que faz com que a gente queira ficar por perto. Dorme bem, se exercita, se alimenta bem, mas não dispensa um torresminho, carne de porco, pimenta  a cerveja. Dedica tempo de qualidade à família, o filho mais novo e o sobrinho também curtem moto, saem os três juntos. Aos domingos, sempre acontece um almoço no casarão antigo que era da avó, e agora a mãe e as tias tanto cuidam da casa como preparam os almoços. A família toda comparece, primos, sobrinhos, tios, tias e agregados.

No facebook Carlos mantém discreto perfil, porém não deixa de marcar sua presença entre os amigos e assim nunca perdemos o contato nesses quase 40 anos. As fotos  das viagens que faz com a esposa, ou das aventuras on the road, são geralmente da paisagem. Quando ele aparece, está lá fundo, mal da para ver. Entendo com isso a importância que ele dá para a natureza e os belos cenários que visita

Meu amigo me fez pensar que ele é um bom exemplo de vetera novis, ou seja, de um novo velho que faz do limão que é envelhecer uma boa limonada (ou um copo de cerveja gelada). Sem muita firula, planejou sua aposentadoria e, no momento em que essa fase da vida está prestes a acontecer, já tem seu plano B. Se vai continuar para sempre? Não importa.

Não importam também que os comentários preconceituosos pipoquem  aqui e ali. Coroa motoqueiro, olha só de bandana e tatuagem, esses velhos de moto ...  E outras alfinetadas se perdem no pó da estrada, eu diria que é pura inveja. Quem não se lembra de Peter Fonda e Jack Nicholson em Easy Rider? Quem não tem vontade de pegar uma moto e sair pela estrada com o vento batendo no rosto?

A liberdade que a gente sempre anda buscando está bem na nossa frente, basta mudar o modo de olhar.

Get your motor runnin'
Head out on the highway
Lookin' for adventure
And whatever comes our way...

2 comentários:

Maria Cristina disse...

Qué Bom achar seu blog Sandra ! Me aposentei ano passado em julho e estou gostando muito tb!.Bjs

Sandra Schamas disse...

Eba! vamo que vamo. Bjs san